EVENTOS E PARCERIAS

Visite a Exposição o Palhaço no SESC MERITI/RJ - com quadros e o poema homônimo do Poeta Valdemir Costa

Search Engine Submission - AddMe


domingo, 19 de fevereiro de 2012

Nem tão forte como o aço, mas nem tão fraca como o vidro.


Nem tão forte como o aço, mas nem tão fraca como o vidro.

A vida passa muito rápido, portanto vou te dar um conselho: se apaixone pelo maior número de coisas que for possível.
Se apaixone pelas derrotas, elas serão a razão para abrir a próxima porta, subir mais um degrau, procurar a solução para outro problema. 
                                                                                                             
Se apaixone por aquela música que você só ouviu uma vez, por aquela onda que quebrou perfeita na arrebentação ou a forma irreconhecível daquela nuvem depois de uma monção.
                                               
                                                    


Se apaixone pelo tempo solitário sentado no escuro, pelo o nome da namorada escrito com um prego na lateral escondida do muro.
Se apaixone pelo vento que toca o seu rosto à tarde num dia de outono, as palavras não ditas nos momentos certos e os silêncios excessivos nos momentos errados.
                                                     
                                                         
Se apaixone pelos sabores das uvas passas e  pelas  as praças nas cidades pequenas sempre com pessoas sentadas e conversando sobre suas vidas.
Se apaixone por tudo e por todos que dividirem esse tempo com você, não desperdice a capacidade mais latente do ser humano, que é capacidade inata de se apaixonar.
Se apaixone sem medo de sofrer, sofrer faz parte da arte de se apaixonar. Sofra mais e quanto for necessário para saber a extensão dessa imensa paixão.

                                       
Se apaixone por algo, esqueça e se apaixone novamente, não se canse de se apaixonar até os últimos dias de sua existência.
Se apaixone pelo momento, pelo instante, pelo passado, pelo acaso, pelo vazio, pelas manias, pelas tentativas, pelas vidas não vividas, pelas coisas perdidas e pelas achadas, mas esquecidas e nunca usadas.

                                                                                           
Se apaixone pela sorte, pelo azar e a vontade de ficar, que dá e passa, mas a ferida fica e arde como afita na boca ao morder uma laranja lima.
Se apaixone por um monte coisas na vida, mas ame apenas aquilo que não te aprisione, machuque ou humilhe. Amar é síntese da paixão, será impossível amar na mesma proporção em que deverá  se apaixonar, mas isso é o catalizador do amor à discrepância entre a infinita possibilidade de se apaixonar várias vezes e ao mesmo tempo e impossibilidade de amar mais de uma única coisa por vez. 
                        
Se apaixone muitas vezes e ame sempre que possível for. odeie por alguns instantes, depois volte a se apaixonar com mais força ainda. Quem nunca foi desprezado nunca se dará por inteiro. O calor torna o aço mais forte, molda o vidro em formas incrivelmente belas. O concreto e forte e flexível, assim deve ser o ato de se apaixonar constante como o piscar e natural como respirar.


                                                                                                     

Valdemir Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTE E DEIXE SEU POEMA NO EmBAIXADA POÉTICA.